2 de fev de 2011

um instante


tudo aconteceu num sábado, nublado e com chuva, aqueles dias cinzas que parecem não ter fim. um só dia, mas para ela foi uma volta completa ao redor do sol. alice acordou tarde, envolta numa preguiça sem fim, pois, afinal, a chuva que batia no telhado e o dia nublado conspiravam a seu favor. pela janela entreaberta podiam-se ver orquídeas, lindas, muitas, vivas. foi durante esse minucioso olhar pela janela, através da cortina e além do jardim que alice percebeu o jovem parado, a roupa molhada e os cabelos desalinhados sobre o rosto sereno. um fato inusitado, levando em conta que nesse momento o céu parecia desabar sobre a cidade.


numa fração de segundo, um instante menor do que um suspiro, batidas na porta da frente. o som pareceu distante, perdido numa imensidão de espaço, num sábado pela manhã. o instinto pressente aquilo que não se pode explicar. por um segundo, alice teve a certeza de que atrás daquela porta estava quem ela sempre esperou.


de repente, o mesmo rosto sereno, os cabelos desalinhados e a roupa ainda mais enxarcada. ele aninhou-se entre seus braços, como a pedir proteção. beijou seu rosto e suas mãos, acariciou seu cabelo, abraçou alice forte e ficou quieto, roubando dela o calor que emanava do corpo desconhecido.


o amor brota por todos os poros. naquele dia a felicidade fez suas vítimas. naquele sábado nublado e com chuva, alice foi infinitamente amada. um dia sem fim, como se estivessem dando uma volta completa ao redor do sol.


comentários sobre: acreditem ou não, este "ameaço" de conto foi escrito lá pelos meus 12, 13 anos (ok, talvez 14, não lembro). pra se ter uma ideia, ele está numa folha amarelada, datilografado (os mais novos não devem saber do que se trata) numa olivetti lettera que - imagino - nem seja mais fabricada. a tal folha estava perdida em algum canto dos meus guardados e foi uma alegria reencontrá-la. lembro de ter escrito quando - inspirada por amigos mais velhos, meus ídolos juvenis - tinha pretenções de ser escritora. o mais incrível é que muito anos depois, em 2007, um trabalho de faculdade exigia que cada aluno escrevesse um roteiro para cinema. instintivamente, reescrevi este conto. com algumas alterações e um conflito, porém, roteiro muito semelhante. o resultado foi a gravação de um curta metragem chamado "abandono". coisa louca, né?

obs. todas as imagens que ilustram este post são do talentoso fotógrafo charles guerra.
bonito, saudade imensa desse teu olhar!

3 comentários:

Alice disse...

Bah, que legal! Gostei! Bem que tu podia continuar esta história! Ainda mais que já simpatizei com o nome da Protagonista... hehehe

j. grünhäuser disse...

adorei te ler jovem, te ler agora, te ler ficção e reflexão. Parabéns!

Giane Luccas disse...

...e bem que o curta podia ser finalizado...

Aquilo foi 2007 é?
Saudades