10 de dez de 2015

21 anos sem Renato Ruso – uma música, uma história e Santa Maria

Em 1986, a banda Legião Urbana fez um show memorável em Santa Maria (RS). O texto a seguir foi escrito por mim e publicado em 2012, no blog da extinta rádio Itapema FM Santa Maria. Ele conta uma história curiosa a respeito da banda e um possível vínculo com Santa Maria. Vamos a ela.




Formação original clássica (da esquerda para direita): Renato Rocha (baixo), Marcelo Bonfá (bateria), Renato Russo (vocais) e Dado Villa-Lobos (guitarra)

Cultuada e idolatrada por muitos, odiada e desprezada por outros tantos. Assim é a banda Legião Urbana. Há quem ame, há quem torce o nariz e diz que nem acha tudo isso.

Mas a contribuição da Legião pra história do rock brasileiro é irrefutável. E se formos pensar nos grandes pilares intelectuais da geração 80 do rock nacional, é até um sacrilégio não mencionarmos o nome de Renato Russo e todo o legado do vocalista e compositor no cenário da música brazuca.

Renato Manfredi Junior é e continua sendo um dos principais letristas de toda uma geração. Junto com outros nomes maiúsculos, como Cazuza e Raul Seixas, ele entrou pra história graças ao lirismo exacerbado e toda a inspiração que buscou na prolífica fonte dos poetas malditos. Um legado acometido pelo turbulento néctar do amor fracassado, afinal, morrer de amor para um cara extremamente romântico como Renato, não passava de uma visão sublime da tragédia.

Mas, você leitor, sabe que há um elo entre a Legião Urbana e a cidade de Santa Maria? Acreditaria se eu dissesse que essa ligação existe e está na música “Maurício”?




Muitos talvez nem saibam que a mítica banda passou por estas bandas, em 1986, quando fizeram um show histórico no Ginásio do Corinthians, durante a divulgação do álbum Dois. Os que estiveram lá contam que foi um show memorável, com uma Legião Urbana no auge da carreira e a presença enigmática de Renato Russo. E contam também a história que ouvi há muito tempo e agora, passados 19 anos da morte de Renato Russo (1960-1996), resolvi resgatar.
   
Quem é de Santa Maria e tem mais de 30 anos certamente conhece o Mauricio, chamado por muitos de “Argentino”. O que se sabe sobre o Mauricio é que, quando ele tinha 14 anos, foi dar um mergulho na piscina de um clube e bateu a cabeça. Com o acidente, o Mauricio ficou com limitações de fala e locomoção. Nada que o impedisse de sair e se divertir como um jovem da sua idade, tanto que o principal local pra se encontrar o “Argentino” era na fila de alguma balada. E, mesmo com as limitações, o Argentino estava lá, no lendário show da Legião. Hoje, Maurício vive mais recluso em casa e já não é visto na noite de Santa Maria. Segundo a irmã, Viviane, por conta da violência das ruas.

Reza a lenda que durante a apresentação daquela noite, em setembro de 1986, Mauricio estava na plateia e – tentando subir no palco – foi contido de forma não muito amistosa pelos seguranças. Ao ver a cena, Renato Russo teria ficado indignado, pois percebeu que Mauricio tinha necessidades especiais. Renato então parou o show, deu o maior esporro nos seguranças, discursou alguma coisa para o público e convidou o Maurício para ir até o camarim conhecer a banda. Depois disso, contam que - para ele e por ele – foi então composta a música “Mauricio”, que entrou no disco As Quatro Estações (1989). 


Maurício (Argentino), de óculos e boné. (Foto: Vadson Schafer - Arquivo Pessoal)

Na época em que eu trabalhava na rádio Itapema Santa Maria, entrei em contato por e-mail com o Dado e o Bonfá. A resposta dos dois sobre a origem da música Maurício não foi conclusiva, mas também não foi negativa. “Olha, Ana... se é verdade, só uma pessoa poderia confirmar: o próprio Renato”, me disse o guitarrista. Bonfá seguiu na mesma linha: “se foi pro Maurício de Santa Maria, essa história ficou com o Renato”.

Mas, durante o show do Legião em Porto Alegre, em 1990, ao final de Maurício, Renato diz: “Era pra ser pro meu ex-namorado, né?”. E então segue o baile sem muitas explicações. Dizem também que a música realmente teria sido feita para um ex-namorado do vocalista. Eu, como uma apreciadora de histórias fantásticas, prefiro ficar com a versão de que Maurício foi inspirada aqui. Cada um ouve a letra e a interpreta como quiser, assim que é.

De tudo, o que resta é a certeza de que a Legião Urbana marcou uma época e também uma geração. Seja ela Coca-Cola ou Y. O fato é que quem viveu aqueles anos sabe que alguma coisa ainda toca lá no fundo, quando se ouve os acordes de Tempo Perdido ou Índios, por exemplo. E toda letra de Renato Russo tem uma frase que pode se aproveitar na vida, seja agora ou depois. Basta ter sensibilidade e alma aberta pra entender.



Confira a letra da canção:

Maurício

Já não sei dizer se ainda sei sentir
O meu coração já não me pertence
Já não quer mais me obedecer
Parece agora estar tão cansado quanto eu
Até pensei que era mais por não saber
Que ainda sou capaz de acreditar
Me sinto tão só
E dizem que a solidão até que me cai bem
Às vezes faço planos
Às vezes quero ir
Pra algum país distante
Voltar a ser feliz
Já não sei dizer o que aconteceu
Se tudo que sonhei foi mesmo um
sonho meu
Se meu desejo então já se realizou
O que fazer depois
Pra onde é que eu vou?
Eu vi você voltar pra mim
Eu vi você voltar pra mim

Assista a seguir uma matéria especial sobre a Legião Urbana, que foi ao ar no Fantástico (Rede Globo), narrada pelo repórter especial do programa, Marcelo Canellas.




*** Colaboração de Adriano do Canto na disponibilização dos spots comerciais e do Allan Simões pelo vídeo do show ao vivo *** 


Nenhum comentário: